Meu nome é Valdinei Calvento Junior, meus amigos me chamam de Cabelo.

Bicicleta Girassol é meu projeto pessoal, que visa através da arte, sensibilizar o olhar das pessoas para a bicicleta como um importante instrumento de empoderamento pessoal e transformação de nossas cidades.

Desenvolvo e promovo oficinas lúdicas com o propósito de reunir amigos, criar novos e aumentar a rede de pessoas que enxergam a bicicleta como um elo, não apenas como um signo/símbolo.



Errare humanum est.

Desde pequenos nos acostumamos a vê-las rodando por aí: Bicicletas de todos os tamanhos e modelos enfeitam e colorem as cidades.

Quando se aprende a pedalar, acredito que uma das primeiras vontades que temos é de poder ir mais longe, dar a volta no quarteirão, depois ir para outro bairro, outra cidade e esta vontade vai ampliando-se com o passar do tempo.

"Errare humanum est". O ser humano sente a necessidade de ser errante, de seguir para além de sua zona de conforto, temos por natureza a necessidade de descobrir e querer conhecer o novo e a bicicleta é um instrumento importante para isso: Porque além de nos descolar no espaço, também é capaz de nos deslocar no tempo.

Explico.

Quantas memórias nos vem a cabeça enquanto pedalamos na estrada principalmente? Quantas vezes o viajante não se pega praticamente fora do corpo rememorando momentos marcantes em sua vida como as lembranças de um abraço carinhoso, as histórias contadas pelos pais e avôs, as brincadeiras de quando era criança e tantas outras?

Essa espécie de transe que acomete o viajante faz parte de algo que merece nossa atenção: O giro do pedal, sua cadência e repetição funciona como um mantra. Os povos hindus faziam uso deles para colocá-los em estados meditativos e contemplativos para além da vida material, em contato com o mágico e metafísico. Essa percepção pode ser mais clara no momento em que se enfrenta uma ladeira por exemplo, nosso cérebro começa a mapear todas as partes do corpo para que usemos nossa energia de maneira a aproveitarmos ao máximo nosso esforço, distribuindo nosso peso, e focando as funções principais, como a respiração e a posição do corpo. Na sequência, acertada a intensidade do pedal para enfrentarmos a ladeira, nossa cabeça tende a olhar o horizonte e por vezes o pedal, é nesse momento que se inicia o processo meditativo, que vai se estender até que o objetivo, a ladeira no caso, seja superada com a ajuda de memórias boas ou nem tanto, mas que de certo nos ajudaram a enfrentar este obstáculo.

A bicicleta é um instrumento importante de transformação física, mental e espiritual, para além de quaisquer clichês.

Valdinei Calvento Junior

Texto originalmente escrito para o livro "TRANSITE" do fotógrafo e amigo Felipe Baenninger.